28 de novembro de 2014

Feira do Livro

A biblioteca escolar realizou de 17 a 28 de novembro mais uma edição da feira do Livro. 

Esta atividade integrada nas comemorações do dia da escola, apresentou uma amostra significativa de livros, contemplando diversas faixas etárias e diversas temáticas.

Destaca-se a participação dos alunos, dos docentes e assistentes da escola. Regista-se, no entanto, a fraca participação dos pais e encarregados de educação.








27 de novembro de 2014

Melhor Leitor do Ano 2013- 14


No dia 25 de novembro, pelas 16h00, na sala "Os dias sem ninguém", integrada nas atividades das comemorações  do dia da Escola,  realizou-se a sessão de entrega dos diplomas do Quadro de Excelência (3.º ciclo e secundário), do prémio da Escola de Condução Sudoeste ao melhor aluno do 12.º ano e dos prémios do Clube de Leitura da Biblioteca Escolar  aos melhores leitores do ano, nas categorias de secundário e adulto.

Fica o registo fotográfico das melhores leitoras do ano 2013-14. 
Parabéns à aluna Anna Ryasyk e à professora Luísa Feneja. 




26 de novembro de 2014

Reutilizar Manuais Escolares


No âmbito da atividade Reutilizar Manuais Escolares, a biblioteca escolar recolhe livros escolares usados. 

Os adotados na escola ficam na biblioteca para empréstimo aos alunos, os não adotados são depositados em embalagens solidárias  e são  entregues aos CTT que recebem e transportam, sem qualquer custo, livros escolares reutilizados.

A primeira remessa já foi entregue como se pode ver nas fotografias. 


Participa na campanha de recolha de manuais escolares usados. Entrega os teus na Biblioteca Escolar. 






 





25 de novembro de 2014

3.ª Edição de Olhares sobre Al Berto



Nesta edição de Olhares sobre Al Berto pretendia-se abordar a faceta artística do autor. Com base na obra Projectos 69, os alunos do 7.º A e os alunos do ensino especial, sob a orientação da professora de ET/EV, fizeram colagens e deram cor  a alguns desenhos propostos no  livro. Os trabalhos foram expostos no átrio da escola. 

Ainda no âmbito desta edição, realizou-se, no dia 21 de novembro, na sala polivalente,  a sessão "À conversa com Isabel e Luís Silva" dirigida aos alunos do 10.º ano. Os convidados, amigos de Al Berto, contaram alguns episódios que viveram em conjunto e explicaram  a seleção de  fotos, desenhos e pinturas que  apresentaram em powerpoint.  (ver aqui) 






14 de novembro de 2014

Livro recomendado por Mª do Rosário Pedreira




"O romance Dizem Que Sebastião, de João Rebocho Pais, pode ser um estímulo à leitura dos autores portugueses! Ele narra, de forma simples mas cuidada – e com inegável humor – a história de um homem que se deixou de livros muito cedo e se tornou um tecnocrata, um workaholic dos números. Ganhou muito dinheiro, claro, mas chegou aos 40 e tal anos e percebeu que se encontrava sozinho, pois, com os livros, perdera também o contacto com amigos, ocupando-se apenas de mapas Excel e estratégias de venda. Tentando remediar a situação, resolve convidar uma colega atraente para jantar, mas… é um homem inculto, e o arraso que leva da rapariga deixa-o completamente frustrado e arrependido por ter passado tanta coisa em branco. E, como a sua saúde acusa o toque – o coração fraqueja –, decide tirar um ano sabático e pôr-se em dia com a literatura portuguesa. Quem o ajuda? Um livreiro – só podia ser – mas não só: sentado junto às estátuas de poetas e escritores – Pessoa, Camões, Eça, Camilo, Antero e muitos outros –, Sebastião vai entender o que eles têm para lhe ensinar sobre tudo e mais alguma coisa, incluindo o amor. "



Texto completo: >>>



6 de novembro de 2014

Projeto Ler+Jovem - O Som Criador das Palavras






A Escola Secundária Poeta Al Berto de Sines foi uma das escolas seleccionadas na candidatura nacional ao Projeto Ler+ jovem (3.ª edição 2014-16). O projeto foi concebido pela equipa da biblioteca escolar, tendo como responsável a professora bibliotecária, Graciosa Reis.



A designação atribuída ao projeto -  O som criador das palavras -  foi retirada da frase “O som criador das palavras, a partilha das coisas…” (Dispersos) de Al Berto, patrono da escola. 

Este projeto apresenta como prioridade o envolvimento dos jovens na partilha e promoção da leitura na escola e na comunidade local, junto dos utentes da Santa Casa da Misericórdia de Sines. 

Com base num plano de atividades variadas e numa periodicidade mensal, procurar-se-á desenvolver e diversificar as competências de ler e de saber estar em que os jovens se assumem como agentes promotores da leitura. 


Objetivos do projeto

- Desenvolver a consciência cívica dos alunos, bem como os hábitos de trabalho colaborativo na promoção da leitura e do legado patrimonial da comunidade em que se inserem. 
- Aproximar gerações através de ações de intercâmbio de saberes associados à leitura; 
-Envolver os jovens do 10º ano de escolaridade em atividades que conduzam à descoberta do prazer de ler e da partilha.


Acompanhar o desenvolvimento do projeto no separador "Ler+ jovem".



“O que se passa que os alunos não passam?”


A pergunta foi feita por três investigadoras do ISCTE que, através de uma análise de dados, concluem que as dificuldades de aprendizagem não são corrigidas pela repetição de ano. O prazer na leitura e as estratégias de estudo são fatores a ter em conta para melhorar o desempenho dos alunos.


“A escola deve abandonar o seu modelo coercivo e de seleção, encontrando formas de motivar os alunos, sem diminuir a qualidade das aprendizagens”, escrevem Isabel Flores, estudante de Doutoramento em Políticas Públicas, Rosário Mendes, pós-graduada em Análise de Dados em Ciências Sociais, e Paula Velosa, também pós-graduada em Análise de Dados em Ciências Sociais, todas do ISCTE, num texto que faz parte dos contributos da investigação em educação do relatório Estado da Educação 2013 do Conselho Nacional de Educação (CNE). “O que se passa que os alunos não passam?” é o título do documento que coloca o dedo em várias feridas e onde se lê que Portugal terá mais problemas ao nível da inclusão do que da exigência, uma vez que os alunos com sucesso têm um excelente desempenho nos testes internacionais.

Para ler o texto completo  clique em  educare.pt   




31 de outubro de 2014

Bibliopaper



No dia 27 de outubro - dia das bibliotecas escolares -  realizou-se  a atividade "Bibliopaper" na biblioteca escolar com a participação das três turmas do 7.º ano, acompanhadas pelo professor de TIC.

Os vencedores, por turma, são os seguintes:

7.ºA - grupo constituído por Ana Sofia Sousa; Daniela Damian, Geovana Sousa e Nicoleta Lascu              (59 pontos)

7.ºB - grupo constituído por Iúri Gamboa, Maria Pires, Nathália Batista e Raquel Alves (57 pontos)


7.ºC - grupo constituído por Fábio Medinas, Guilherme Nobre, Henrique Carvoeiras e Henrique Bernardino (53 pontos)


Os alunos participantes responderam a um inquérito de satisfação para avaliarem de 1 a 5  a atividade e o resultado  foi o seguinte:









Prémios Nobel 2014






23 de outubro de 2014

Visitas guiadas por Sines

Os alunos da turma 2º TGA, acompanhados pela  professora de Ordenamento do Território, participaram nas Jornadas Europeias do Património 2014 “Património sempre uma descoberta” (26 de setembro) e na  atividade "mapear" por Sines (17 de outubro) promovidas pelo Museu de Sines e pelo centro de Artes de Sines, respetivamente. Em ambas as atividades os alunos partiram à descoberta de Sines... 











24 de setembro de 2014

A longa viagem da literacia




(Imagem retirada da internet)


Penso mesmo que o défice educacional dos portugueses é a maior pecha do país. E é essa a principal razão que explica a dificuldade que temos tido em recuperar do nosso atraso no desenvolvimento face aos países mais avançados.



Portugal é um país que, fruto de ter vivido em ditadura até tarde demais, tinha, nos anos setenta do século passado, um dos mais vergonhosos níveis de alfabetização do mundo ocidental. Só depois da implantação da democracia, e da consequente massificação do ensino, é que Portugal começou a encetar um processo de recuperação do atraso educacional da sua população.
Hoje, já estamos melhor. Mas ainda nos falta um longo caminho. Continuamos com taxas de escolarização das mais baixas da OCDE, e isso tem implicações profundas na nossa condição social, económica e política.
Penso mesmo que o défice educacional dos portugueses é a maior pecha do país. E é essa a principal razão que explica a dificuldade que temos tido em recuperar do nosso atraso no desenvolvimento face aos países mais avançados.
É que cidadãos pouco escolarizados têm pouca eficiência produtiva, têm pouca exigência cívica e têm dificuldades em fazer escolhas políticas mais esclarecidas. E tendem a desvalorizar a ciência e o ensino, considerando-as actividades supérfluas.
Apesar dos níveis de instrução que a nossa população mais jovem já apresenta (com percentagens de licenciados próximas das de alguns países ocidentais), ainda se nota um grave défice ao nível da literacia. É que literacia é diferente de alfabetismo. Não basta saber ler as palavras ou escrevê-las. É preciso compreender o conteúdo de um texto e saber exprimir um pensamento. E nisso, há uma carência confrangedora.
As caixas de comentários na internet são uma amostra triste, mas real, da iliteracia que ainda grassa na população portuguesa, mesmo nas camadas jovens. Vejo muita gente a comentar textos só por um título ou um parágrafo (o que é completamente descabido) ou, quando conseguem concentrar-se e ler um texto de uma página do princípio ao fim, os comentários que fazem demonstram que não perceberam nada do que está escrito. Normalmente, esses que nada entenderam também não se conseguem expressar nos seus comentários: escrevem num português incorrecto (tanto na ortografia como na sintaxe) e mostram uma confusão no raciocínio assustadora.
Lembro-me bem das aulas de português, no secundário, em que nos era pedido para interpretarmos textos nos testes. Lembro-me, também, que o nível de dificuldade desses testes não era elevado mas, apesar disso, as notas, em média, não eram boas. Não gabo a sorte dos professores de português que corrigem esses testes e que têm como função promover a literacia, mesmo daqueles que acham que não precisam de aprender…

Eu só tenho experiência lectiva no ensino superior. E, mesmo nesse ambiente, e sempre em boas universidades, já me deparei com textos muito mal escritos de pessoas a quem, claramente, lhes faltam competências de literacia.
A longa viagem da literacia demora muito tempo. É preciso que as gerações se sucedam para que a escola seja cada vez mais valorizada e para que, também em casa, os alunos tenham quem lhes promova a literacia. Até lá, as caixas de comentários da Internet vão continuar poluídas por quem pouco entende e muito mal diz.



Texto de Gabriel Leite Mota • 22/09/2014 in P3

2 de julho de 2014

Clube de Leitura: Melhor Leitor do Ano


O regulamento do Clube de Leitura prevê no seu Art.º V a atribuição de um prémio por categoria (aluno do 3.º ciclo, aluno do ensino secundário e adulto) ao melhor leitor do ano. 

Cada leitor obteve uma pontuação por cada livro lido e atividade realizada de acordo com o definido no regulamento. Foi com base na pontuação e na participação ativa que se obtiveram os seguintes resultados. 


MELHOR LEITOR DO ANO:

3º ciclo: Não há vencedores por incumprimento do regulamento

Secundário: Anna Ryasyk  - 125 pontos

Adultos: Luísa Feneja - 125 pontos












9 de maio de 2014

Dia da Europa



O Dia da Europa visto e construído pelos alunos dos cursos profissionais, 2.º TT e 2.º TAGD, no âmbito da disciplina de Área de Integração e com o apoio da BE para a montagem da exposição na biblioteca.








Visita ao Arquivo Municipal



A turma do Curso Profissional de Técnico de Turismo, no âmbito da disciplina de Técnicas de Comunicação em Acolhimento Turístico, deslocou-se ao Arquivo Municipal Arnaldo Soledade numa visita guiada onde ficou a conhecer as várias técnicas de arquivo, como os vários tipos de arquivos, a organização e conservação de documentos e a tipologia dos documentos arquivados.



5 de maio de 2014

Visita ao Laboratório da Memória do Mar no CAS



Nos dias 7 e 9 de abril os alunos das turmas 1º TGA e CEF Operador Agrícola, conjuntamente com as professoras de Ordenamento do Território e de Língua Portuguesa, realizaram uma visita de estudo guiada ao Laboratório da Memória do Mar, onde os alunos descobriram objetos antigos alusivos à cultura marítima de Sines.